top of page

Eu e Ela, por Gustavo Loron

Entre a cortina e a parede, existe uma brecha em que vejo a rua. Tento alcançar o ponto mais longe com o meu olhar, é a única maneira que tenho para escapar dos meus pensamentos. Mas, a mão quente dela em meu ombro me lembra que eu preciso ficar em casa.


Durante o noticiário, ela deita em meu colo como um álbum de fotografias e relembra tudo o que já vivemos. “Será que você ainda se recorda do som do mar?”, ela me pergunta com um sorriso bobo no rosto.


Desde então, nós fazemos tudo juntos. Preparamos o jantar, colocamos a mesa e, depois, lavamos a louça ouvindo Gilberto Gil na vitrola. Dia após dia, eu e ela em casa, sozinhos.

De manhã, ela me dá um abraço apertado. Sinto o meu coração acelerar com o seu cheiro doce de infância. Ela pergunta sobre meus pais e pede para eu avisar meus avós sobre todos os cuidados necessários. “Manda um beijo para eles”, sussurra em meu ouvido.


À noite, ela me beija enlouquecidamente. Às vezes, nem consigo ouvir as notícias: o aumento das mortes, o governo em seu despreparo, a vacina que nunca chega. Ela invade a minha cabeça com uma sedução irresistível.


Sinto o meu sangue esquentar, pulsando em minhas veias. A respiração acelera e tudo fica mais quente. Então, costumo abrir as janelas e sentir a brisa gelada de lá de fora. Ainda há vida lá fora?


E a noite nunca acaba bem. Entre eu e ela, uma, duas, três taças de vinho. E fui eu quem bebeu todas. Ela rejeita porque se mantendo sóbria consegue manipular os meus pensamentos. Vocês sabem, ela nunca irá perder um jogo.


Enxugo as lágrimas e consigo ver seu rosto melhor. Ela não quer me levar para a cama, mas quer me beijar a noite inteira, observando a brisa e contando histórias antigas. “Você se lembra daqueles almoços em família?”, me pergunta rotineiramente.


Só ela consegue confundir tanto a minha cabeça. Enquanto eu a amo e a quero por perto, sinto uma vontade imensa de matá-la, afinal ela sabe como me manipular e fazer com que eu seda todas as suas vontades.


Desde que a pandemia começou tem sido assim. Nós dois sozinhos por aqui: eu e a saudade.



Gustavo Lorón tem 27 anos, é formado em jornalismo e apaixonado por escrita.


Ele faz parte do grupo LGBTQIA+ do projeto É DIA DE ESCREVER.


Para saber mais sobre ele basta seguí-lo no instagram @gustaversos.


Recent Posts

See All

Puella

5 Comments


Camila Uribe
Camila Uribe
Apr 25, 2021

Gostei muito! O final melhor ainda, contundente!

Like

Marian Koshiba
Marian Koshiba
Apr 21, 2021

Que texto maravilhoso Gustavo!

Like

Goretti Giaquinto
Goretti Giaquinto
Apr 21, 2021

Bem escrito, envolvente, surpreendente...

Like

Raísa Gomide
Raísa Gomide
Apr 21, 2021

Muito bom!!

Like

Amei

Like
bottom of page