top of page
AD.png

Dois em Um!

— E então, de repente, eu estava de volta à atividade.

Fiquei fora por algum tempo. Foi a consequência de ter me apaixonado por ele, meu colega de trabalho. Sim, trabalho. Não formal ou convencional. Não muito lícito, é verdade. Mas, ainda assim, um trabalho. Porque eu não encontraria uma outra palavra para definir o esforço que é preciso fazer com pesquisa, planejamento, criação de um personagem convincente, período de atuação e tal, até a conclusão do plano. Ou seja, o momento de depenar o pato. Ou a pata. E, depois, ainda havia todo o risco até a conclusão do negócio. Daí, é aproveitar os frutos desse trabalho. 

— Ah, leitor, quem não merece umas férias, após tanto esforço?

Eu tinha um parceiro de trabalho para esses, digamos, ‘favores’, que eu e ele fazíamos a pessoas idosas, bem-sucedidas, com muita grana, mas carentes ou doidas para viver um pouco de aventura, coisa que sua idade e condição social não lhe permitia. Homens e mulheres. Ricos pensam que o dinheiro compra tudo!

Eu e o meu parceiro éramos jovens, bonitos, educados, inteligentes e charmosos. Sem falsa modéstia. Aí, bolávamos o plano e escolhíamos a vítima, geralmente num aplicativo de relacionamentos. Era mole! Depois, cada um ia para o seu canto e só voltávamos a nos falar quando surgia outro servicinho.

A nossa parceria ia muito bem e foi razoavelmente lucrativa por um bom tempo. Não tínhamos problemas com a polícia, porque as vítimas preferiam não correr o risco de ter os nomes envolvidos em escândalos. Era muito compreensível. Bastava a gente insinuar a chantagem e eles abriam a carteira. Com raiva, lógico, mas abriam. Cumpríamos o combinado, sumindo no mundo. Garanto que eles nunca ficaram menos ricos. E, além do mais, essa gente infiel bem que merecia uma liçãozinha, pra pensar duas vezes antes de pular a cerca de novo.

Mas, um dia, de repente, aconteceu o inesperado. Uma armadilha do destino.

Eu e o meu parceiro nos apaixonamos. Um pelo outro, sabe? Nós dois…

É claro que rolou ciúme e possessividade. Não dava nem pra imaginar um traindo o outro, nem por dinheiro. Ficamos caretíssimos! Montamos casa e fizemos planos de arranjar emprego, ter filhos, essas coisas que gente normal costuma fazer. Quase nos casamos. Isso dá uma ideia do quanto a coisa ficou séria!

Seis meses. Nossa aventura durou seis meses! E aí o dinheiro acabou. E, com ele, todos os nossos sonhos de sermos um casal comum. Então, adeus, amor. Pior que isso: viramos inimigos mortais. Passamos a sentir raiva um do outro.

Esse era o meu primeiro trabalho solo. Fiquei meio insegura, mas passou.

Estávamos num cruzeiro, eu e o meu coroa. Pena que não podia curtir a viagem porque, embora ele não admitisse, tinha medo de ser visto comigo. Mal havíamos deixado o porto do Rio e já avisou que ficaríamos escondidinhos o tempo todo. Só nós dois! Pensou que eu era boba! Sabia que era casado. Tudo bem.

De repente, uma surpresa:

— Serena!? — a voz grave e rouca me fez estremecer. — É você?

— Vini…— consegui apenas murmurar

Eu e o meu antigo parceiro, ambos devidamente acompanhados, nos encontramos no corredor, à caminho das nossas cabines.

— Você não me disse que estava fora do esquema!? — Vini gritou, não conseguindo conter o ciúme. — Arranjou outro parceiro de trabalho? Quem é?

— E você com uma mulher mais jovem!? — eu respondi. — Quebrou a regra!

E aí, do nada, o meu acompanhante e a dele também começaram a discutir. Descobrimos que eram marido e mulher e ficaram, ambos, indignados com a traição um do outro. Uma tremenda coincidência!

Então, tudo ficou muito claro para o casal-vítima. Eles nos acusaram de querer aplicar um golpe para extorquir dinheiro e foram depressa avisar ao capitão do navio. Talvez fôssemos presos, eu e o Vini, assim que o cruzeiro atracasse. Passamos o restante da viagem escondidos dentro de uma cabine. 

— Eu e o Vini, juntinhos, na mesma cabine, leitor. Pode imaginar? 

Bom, é claro que brigamos, mas fizemos as pazes e prometemos nunca mais nos deixar. Só que a prisão não estava em nossos planos. Então, solicitamos a presença do capitão, para fazermos um acordo. Mas, que tipo de acordo poderíamos propor?

— Nenhum… — Vini disse, desanimado. — Estamos ferrados.

O navio havia entrado no meio de uma tempestade terrível e jogava muito. Chovia e trovejava sem parar. Algo assustador. De repente, tive uma ideia. 

— Vini, você ainda carrega aquela seringuinha camuflada na cigarreira, para o caso de precisar dopar a vítima?

— Sim, por quê?

Quando o capitão e o ajudante chegaram, eu e o Vini tentamos explicar que foi tudo uma infeliz coincidência e que não era nada daquilo que o casal pensou e tal. Éramos inocentes vítimas do destino (e isso era verdade, naquele caso!). Não adiantou, o homem estava irredutível. Então, fingi que ia pegar provas da nossa idoneidade no armário, mas com a instabilidade no mar, acabei ‘tropeçando’ e caindo por cima do capitão O Vini, já preparado, veio ajudar, aplicando a injeção na barriga dele, que eu escondia com o meu corpo. Na hora, ele não  deve ter sentido nada. O ajudante do capitão também não desconfiou. Nosso álibi. E assim que me colocaram sobre a cama, eu reclamei de muita dor no pé. Comecei a chorar.

— Chamem o médico! — disse o capitão, ainda bem e lúcido.

Daí pra frente, tudo saiu melhor do que o esperado. O médico e a enfermeira vieram à cabine e, enquanto me examinavam, o capitão começou a passar mal, desmaiando. Suspeitaram logo de um mal súbito e a situação ficou tensa.

— Você, leitor, pode até perguntar se isso não era enredo de outro desafio. E era. Mas ela está muito atrasada. Então, vamos no embalo…

Foi um corre-corre para socorrer o capitão. E a mim, ao mesmo tempo. Fomos levados à enfermaria, com muito sacrifício, pois tudo caía e havia outros passageiros feridos e muita gente enjoando, inclusive o casal-vítima com o qual havíamos nos envolvido. Com certeza, eles já nem se  lembravam de nós.

A tempestade piorava e as ondas gigantescas me deixavam aterrorizada. Houve um momento em que pensamos que o navio fosse mesmo virar. Eu cheguei a sentir o cheiro da morte, trazido pelos fortes ventos que assolavam o navio.  O desespero foi total. O intenso e inesperado evento climático nos pegou no início da viagem e  quase nos levou ao fundo do mar. Começamos a rezar.

— Se eu conseguir sair dessa, viva, nunca mais aplico golpes. — prometi.

— E eu vou voltar a trabalhar como vendedor de carros — Vini garantiu.

Levou ainda algum tempo até que a tempestade passasse. As avarias no barco e a quantidade de passageiros machucados e apavorados  fizeram com que nós voltássemos para o porto do Rio, de onde havíamos saído. 

Com a confusão, não foram feitos os exames de sangue que comprovariam que o capitão havia sido dopado. Eu e o Vini nos misturamos aos passageiros e procuramos passar despercebidos pelo saguão, para não sermos reconhecidos.

— É, leitor, parece que o destino estava a nosso favor. Você não acha!?

Olhei para o lado, percebi que havia um senhor, mancando e usando uma bengala, enquanto carregava uma valise Louis Vuitton na outra mão.

— Que susto, não é verdade? — eu disse, diminuindo o passo e me espremendo contra ele, fingindo ser empurrada pelo povo que passava por nós.

— Sim — ele respondeu. — minha esposa ainda está na enfermaria.

— Ah, coitada. — Se quiser posso lhe fazer companhia  — Sorri novamente.

— Se não for se sentir entediada com um velho lento e caduco como eu…

— De forma alguma. Será um prazer…

Ele me olhou e pareceu ter gostado da ideia. Dei-lhe o braço e continuamos a andar. Do outro lado, observei que Vini também conversava com uma senhora bem vestida, jogando todo o seu charme, enquanto a ajudava a carregar as malas.



 

Cátia Porto

Desafio #61 - Vilões em Guerra

Desafio #64 - Tá chovendo e relampegando

3 comentários

Posts Relacionados

Ver tudo

3 Comments


Os dois temas se encaixaram bem, ótimo!

Like

Matou dois passarinhos com um tiro só… boa ideia! Ótimo texto(s)🤣🤣🤣

Like
Cátia Porto
Cátia Porto
Mar 11
Replying to

Obrigada!

Pois é…fiquei inspirada…rs. E, além do mais, tenho andado muito atarefada, cheia de coisas para resolver, trabalho. Não dou conta de acompanhar os desafios, então, quando a ideia vem, aproveito a inspiração. 😘

Like
bottom of page