top of page

Armisi, Sante & Sayasi

Eis que chegamos na terra nos tempos antigos onde os bons eram bons, os maus eram maus e os em cima do muro permaneciam sem discutir o indiscutível.


Num vilarejo moravam três jovens, "Armisi", o destemido, corajoso, que tinha uma incontestável paixão pelo que fazia, o hábito de ensinar o que sabia e uma enorme vontade de aprender o que desconhecia. Seu irmão mais novo, "Sante" era o protetor e cuidador da família, continha uma resiliência admirável, um olhar apagado, pouco sorria e muito calado. Já o irmão do meio, "Sayasi", esse era irresponsável, doutrinador, vivia sorrindo das mazelas dos aldeãos dos vilarejos próximos de suas terras.


Armisi cuidava dos negócios, suas terras viviam cheia de gente que vinham de longe para aprender a cuidar da terra, a construir suas casas. Ele tinha um negócio promissor e muito evoluído para sua época. As pessoas que procuravam Armisi para aprender, também moravam em suas terras e em troca, preparavam a comida de todos, numa troca de conhecimento e ajuda.


Sante atendia os necessitados, tinha uma pequena casinha com ervas, plantas medicinais, unguentos e algumas ferramentas onde cuidava do povo que pedia sua ajuda. Era ele que cuidava da aldeia, do plantio da horta, dando assistência à saúde e ensinava o que sabia às mulheres que o procuravam para curar.


Já Sayasi, seus irmãos queriam distância, esse era pervertido, vestia-se bem todos os dias, não sujava as mãos por terra, trocados, não vendia o que sabia, usava de má fé.


A vida caminhava como tinha de ser, até o dia que Sr. Sayasi foi jurado de morte. Neste momento, Sante reviveu o que tinha acontecido a anos atrás com seus antepassados mais próximos, armou-se até os dentes, entrou na floresta afim de dar um fim em toda essa sujeira.


Armisi juntou-se às forças, sabendo de suas habilidades e competências, foi à Paz salvar seu bom irmão e Sayasi, vestiu-se de preto, chapéu da caixa foi para cabeça, caminhando para a cidade como se nada estivesse acontecendo.


Nessa barbárie, os bons juntaram-se para curar e proteger, mas o mal continuou sendo o vilão; redundante meu Caro.


vilão, casa de campo, caminho de pedra, cerca de madeira
Vilarejo e uma casa de campo - imagem: canva.com


 


*Procure traduzir: Armisi em Albanês, Sante em Haitiano e Sayasi em Cazaque. Quem sabe um dia tenhamos mais Sayasis éticos, mais Armisi competentes e mais Sante respeitados.


Este não é bem um conto de "Vilões Em Guerra" nos moldes tradicionais e esperados, porém são os Vilões em Guerra da atualidade, na perspectiva da escritora. Sayasis colocando a vilanês em destaque nas mãos dos Santes e Armisis. Valores trocados por grandes "trocados".



5 views0 comments

Recent Posts

See All

Comments


bottom of page