top of page

Entrevista Com o Carnaval (?)




“Esse é um mini-documentário-pessoal-de-acervo-público que está sendo gravado para a posteridade com as devidas autorizações dos convidados. E segue os modelos de entrevista estabelecidos pela cabeça de quem vos escreve (e milhares de horas de cortes aleatórios de podcast da internet)." *O arquivo original foi editado e remasterizado para melhor qualidade da produção


 

(Gravação iniciada)


(Voz do Jorge ben Jor) O telefone tocou novamente, fui atender e não era o meu amooor. Será que ela ainda está muito zangada comigo, que penaaa. Que pena!


Entrevistador: O telefone tocou novamente fui atender e era o Carnaval! É isso mesmo queridos convidados, o Carnaval chegou no nosso estúdio e não foi só na energia e decoração. Seja muito bem vindo a nossa casa Espírito do Carnaval.


Espírito do Carnaval (Karnal): Pô parceiro! Valeu pelo convite. Estúdio maneiro esse que vocês tem aqui. 


E: Obrigado! Que acha de se apresentar para os nossos ouvintes? Fica a vontade, se quiser pega um café ou um refri guará.


K: Legal! Refri guará de graça. 


E: Um mimo dos nossos patrocinadores. Lembrando que a lojinha do Guará tá com 20% de desconto, usando nosso cupom “OEntrevistador20” (jingle de carnaval da Guará tocando) 


K: Vocês não teriam energético aqui não né? 


E: Opa! Acho que nossa produção pode te arrumar. Mas vai se apresentando pro pessoal que tá em casa. 


K: E ai Braasil, podem me chamar de (convidado solta um soluço) Karnal, acho que dispenso apresentações porque vivo de bloquinho em bloquinho. Sou praticamente a cara do Carnaval brasileiro. (risos da produção) 


E: Isso chega a ser um eufemismo. Você é o Carnaval brasileiro em pessoa. 


K: Ah, obrigado. Eu me esforço. 


E: Aproveitando essa história de pular de bloquinho em bloquinho. Foi muito difícil a nossa produção trazer você aqui hoje, imagino que mesmo no pré-carnaval as coisas estavam uma loucura, né?


K: Sabe que até que não? Vai chegando esse clima de festa e a gente vai esquecendo de trabalhar. As pessoas começam a ficar agitadas demais para serem confinadas nessa rotina 6x1. A calçada começa a vibrar e parece que tá chamando meu nome.  


E: Está me dizendo que você não perdeu pelo menos uma noite de sono trabalhando para inspirar os sambas-enredos desse ano?


K: Não é uma preocupação minha, para ser sincero. Os bloquinhos são muito mais cansativos.


E: Uou, isso que é um trabalhador engajado. E conta um pouco de como foi a organização dos bloquinhos esse ano? 


K: Putz, esse ano eu não frequentei muitos fora do meu bairro lá da zona sul de São Paulo, mas posso dizer com todas as letras que a organização do Ibirapuera esse ano tava horrível. Sério, quem montou a logística daquilo? 


E: Certo… (tosse algumas vezes e encara a produção) Bom… estamos rumando para o fim da nossa entrevista, que pena pessoal. O Carnaval pode ter acabado para a gente, mas o nosso convidado ainda tem muito trabalho a ser feito. 


K: Nem fala, a ressaca tá querendo chegar, preciso muito voltar a beber. Na real, cancela aquele energético que te pedi. Alguém tem um chá de camomila? 


E: Muito bem, Karnal. Agora a gente tem o nosso bate bola, vamos para a primeira pergunta. Qual é o jeito certo de comemorar o carnaval?  


K: Nossa essa é fácil! A energia e a comemoração da festa que faz do Carnaval um bagulho tão memorável. O segredo é nunca pausar mais do que oito horas entre um bloquinho e outro. 


E: Isso parece algo muito... espirituoso de se dizer. Agora próxima pergunta, essa para finalizar mesmo. (Alguém da produção sussurra algo no ouvido do entrevistador) Um minutinho pessoal, estamos com um probleminha técnico aqui e… Espera, tá dizendo que esse cara não é o Espírito do Carnaval? Amigão, quem você disse que era mesmo?   


K: Vocês são engraçados, qual é a de ficar me chamando de Espírito e essas coisas? Eu me chamo Karnal, mas meus amigos me chamam de Alma da festa (convidado levanta e começa a dançar sozinho com uma latinha de refri guará na mão).


E: (Sussurrando para a produção) Isso é péssimo. Alguém chama o segurança para tirar ele daqui, mas sem tumulto. 


(Sons de passos dentro do estúdio) 



K: Ei, que isso? Calmaaa e aquele chá de camomila, alguém me traz meu chá de camomilaaa. Vocês não podem me deixar sem chá de camomila, amanhã eu tenho que trabalhar e a ressaca vai acabar comigo! (sons vão ficando mais distantes, até tudo estar em silêncio) 


E: B-Bom… Acho que nossa entrevista acaba por aqui. Sinto muito pelo erro caros ouvintes e até a próxima. 


(Gravação continua) 


E: Que loucura foi essa produção? Se eu descobrir quem trouxe esse moleque aqui vocês todos estão fod… (Som de uma porta abrindo) 


Espírito do Carnaval (verdadeiro): É aqui meu filho? Brigada viu, esses olhos já não enxergam direito. 


E: Ah, Espírito do Carnaval! Nosso tempo para usar o estúdio já terminou, temos que ir embora. 


E.C: E é meu filho? Desculpa, a veia aqui se perdeu e só se achou por causa desses meninos simpáticos que me trouxeram aqui. (Dois funcionários da produção acenam para o entrevistador)


E: Imagina, é uma honra ter você aqui. Acho que temos alguns minutos ainda, vou iniciar a gravação e… Ah, já estava gravando. Vamos lá, você pode responder uma única pergunta, por favor? 


E.C: Assim que sim, eu vim aqui pra isso. 


E: Qual é o jeito certo de comemorar o carnaval?


E.C: Oxi, e que pergunta boba! Do jeito que você quiser. Eu só existo porque o brasileiro pensou em mim com muito carinho. Onde você estiver, o que estiver fazendo, nada disso é mais importante do que aproveitar o feriado com alegria. A minha alma acima de tudo foi criada para celebrar a vida, do jeito que ela quiser se manifestar no coração de cada um. Vai pra festa, vai pra bloquinho, fica em casa, passa com amigos, passa com desconhecido. Sejam felizes como puderem. 


E: Uau, isso sim foi cheio de significado. Eu sinto muito, mas nosso tempo acabou. 


E.C: Sem problemas, eu preciso me encontrar com o Espírito da Quaresma daqui a pouco, marquei um chá da tarde para por a conversa em dia. Ano que vem a gente se vê de novo. 


(Fim da gravação)


 


Oye, feliz carnaval pessoal!! 


Eu sei que tô atrasada, mas em minha defesa estava aproveitando o feriado XD


Espero que tenham gostado de mais essa entrevista. Eu sabia que queria escrever sobre algo do Carnaval, mas quase entrei em parafuso quando decidi entrevistar a própria Carnaval. Então a solução que eu encontrei foi... não entrevistar kkkkk


Desculpa pela pegadinha, mas ano que vem quem sabe ela volta com um episódio só dela.


Até a próxima!




Recent Posts

See All

2 opmerkingen


Cátia Porto
Cátia Porto
15 feb.

Oi! Entrevistar o Carnaval no carnaval foi muito criativo. Gostei!

Like
Oye Becca
Oye Becca
16 feb.
Reageren op

Oie! Obrigada <3

Like
bottom of page