top of page

ACOLHI-MENTO

Permita-me envelhecer,

Sem ouvir, Desagrados

Sem ouvir, Velha

Sem impedimentos.

Sem obrigações.

 

Não estou velha.

Não sou eletroeletrônico

Não sou produto obsoleto,

Não tenho código de barras.

Não sou e nem possuo ponto de descarte

Não estou exposta em gôndolas.

 

NO ESPELHO, OBSERVO AS MARCA EM MEU ROSTO, DOS ANOS VIVIDOS.
ENVELHECI.

 

Permita-me envelhecer,

Sem rótulos.

Sem cobranças.

Com cabelos grisalhos

Com rugas e rusgas.

Com caminhar firme e seguro

 

Permita-me envelhecer,

Com mãos que precisam de apoios.

Com mãos que contam sobre a vida.

Ando descalça na chuva.

Ainda sou quem sou.

Ainda ando por onde quero.

 

Permita-me envelhecer,

Dançar no meu tempo.

Elevar a perna até a altura que me conforta.

Não quero amores novos,

Já os tive na juventude.

Já os confortei, admirei.

Já vivi, já perdi amor.

 

Não quero que outro sofra por não ser como eu.

Não quero admirações inúteis.

Compreensão sim.

Quero envelhecer, sabendo que fiz o certo.

Mas que também fiz o errado.

 

Permita-me envelhecer,

Percorrendo as calçadas, as ruas, os becos.

Nos tropeços, erguer-me

Segurando suas mãos.

 

Permita-me envelhecer.

Permito-me envelhecer.

Admirando a cidade.

Com a sabedoria que ela trouxe para o meu caminhar.

 

Permita-me envelhecer.

Permito-me envelhecer.

Com filhos, netos.

No entendimento dessa nova jovem,

Auxiliando-me nos percalços que enfrentarei

 

Permita-me envelhecer.

Permito-me envelhecer.

Sendo amada, ou não

Sendo compreendida, ou não.

Sendo querida, ou não

Amar dentro do meu entender, do que é AMAR.

 




O tempo, um companheiro,

A cidade, um refletor,

Nessa jornada.


Permita-me envelhecer,

Permito-me envelhecer.

Permita-me esse contentamento de percorrer essa estrada chamada

Envelhe(SER)

 

Desafio #82 Folga da caneta

Stela Alves

24/03/2024

 

 

 

8 views1 comment

Recent Posts

See All

1 Comment


Texto lindo! Para nós da geração envelheSENDO…

Like
bottom of page