top of page
AD.png

Lendo. Escrevendo. Vivendo.


Perfil de uma mulher com cabelos grisalhos , segurando um livro.
Ler traz e cria histórias, sempre. (Imagem IA DALL-E-3)

Eu sou arquiteta e urbanista de formação e profissão. Quando pequena, adorava desenhar. E escrever. Redações, diários. Tinha sintonia com as palavras e traços.


Lembro de uma coleção de mitologia e de uma enciclopédia que meu pai comprou. Lembro de um livro que veio com um disco compacto — Uma Verdadeira Princesa — que reli e ouvi inúmeras vezes. Acho que daí veio meu romantismo, minha escrita que busco ser poética.


Quando jovem, no colégio, me destacava nas redações. Tinha (e tenho) muitos diários, onde dividia minhas emoções sem culpas. O curso de arquitetura também ampliou meu repertório, nos memoriais onde descrevia a ideia do projeto. Os espaços eram vistos e descritos, antes de ser executados.


Depois, já na rotina profissional do ganha-pão, consegui fazer alguns cursos rápidos de escrita criativa, Além de outros cursos de pintura, artes e o que desenvolvesse minha criatividade.


Os livros me acompanham, desde pequena. Aprendi, com o Círculo do Livro, a ansiar por cada exemplar de um bom livro. Até poder comprar meus próprios livros, escolhendo de acordo com a fase de minha vida. Livros que enchem estantes na minha casa, apesar de ter doado muitos, quando me transferi de Recife para Ribeirão Preto, em 2001.


Leio um pouco de tudo, ficção e não ficção. Mas prefiro livros que, de alguma forma, me ensinem, me emocionem, me inspirem. Livros de autoajuda (psicologia, neurolinguística, terapias holísticas/integrativas), suspense, romance, autobiografia, autoficção e contos são meus gêneros preferidos. Literatura moderna, contemporânea e um pouco da clássica me agradam.


Sou do tipo que lê até bula de remédios, como dizem. Mas desisto de ler, se a leitura está sendo muito penosa, com muitas descrições e intervenções que considero desnecessárias ao contexto. Para mim, as palavras são imagens, nem sempre necessárias para descrever cenários e cenas.


Sou visual: para apreender, preciso usar as mãos num papel, desenhando, teclando ou escrevendo. De minha formação em arquitetura, trouxe o treino na inteligência espacial — ver, sentir, explorar.


Na empresa onde trabalhava, a área de marketing incentivava os funcionários em atividades criativas, e tive um texto publicado em 2013, numa revista interna de boa circulação. Me animei.


Mas a escrita passou a fazer parte de minha vida a partir da pandemia. Estava isolada, já aposentada do trabalho oficial, e triste pela morte do amigo-parceiro profissional, pela Covid. Navegando nas redes sociais, vi a oferta de um “Diário de Viagem” gratuito e, como adoro brindes, me inscrevi sem saber que, na realidade, o “brinde” viria com várias atividades.


Foi a oportunidade de olhar a escrita como possibilidade. No projeto É Dia de Escrever, da Editora Questione! , em 2020, tive minha primeira experiência efetiva na escrita. E ganhei meu primeiro Diário de Viagem 😊


Clarice Lispector, Carla Madeira, Milan Kundera, Richard Bach, Ken Follet, Stephen King, Clarissa Pinkola Estés, Vanessa Passos, Marcela Serrano, Julia Cameron, Liz Gilbert, Ana Suy, Mia Couto, Ana Cláudia Quintana, Rosa Montero, Itamar Franco ...  
e a fila vai crescendo. Tento ler um pouco de tudo e de todos.

Na escrita, sou aprendiz. Tenho lido livros sobre como escrever, como ler como escritor. Participo de Grupos de Leitura. Tenho plena consciência das dificuldades enfrentadas pelos escritores, não só no Brasil. Estou ciente de que publicar é “relativamente fácil”, mas a conquista de leitores e consequente venda de livros é um sonho realizado por poucos.

Minha idade, minha formação e minha vontade estão com os "pés no chão”.

Sou exigente na leitura, e, mais ainda, na escrita - então, estou muito consciente de que talvez “nunca" esteja pronta para o mercado de escritores que vivem do seu trabalho de escrita.

Serei sempre uma arquiteta de palavras, desenhando histórias e construindo experiências. Me desafiando entre imagens escritas, criando um mundo onde eu possa continuar a me inspirar,
para seguir com uma mente saudavelmente criativa.

 

Goretti Giaquinto

Desafio # 124 de 365

Tema: Perfil Literário

Qual o seu perfil de escritor / escritora?Chegou a hora de você se apresentar ao mundo como escritor / escritora.

1 - Se apresente como escritor / es reitora para o público.

2 - Conte o seu gênero literário preferido, que tipo de textos gosta de escrever, quem você lê, suas metas e objetivos com a escrita.

3 - Gênero e caracteres livres


Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page