top of page
AD.png

"Estadão", Um Desserviço a Literatura

Vai a M&rd@, né “Estadão”!


Para quem não conhece, sorte a sua. “Estadão” é aquele jornal que publicou o famoso editorial “Uma Escolha Muito Difícil”. Tipo, os caras não sabem diferenciar entre colocar m&rd@ ou uma bela feijoada no prato. Muito difícil para eles escolher entre as duas opções.


Recentemente eles mandaram outra que me tirou do centro.



É lamentável, e nada decepcionante (afinal o que posso esperar deles), ver um veículo de comunicação com a trajetória “muito difícil” do "Estadão" cometer um erro tão grave ao publicar a matéria "Preguiça de ler? Confira onde assistir ‘Memórias Póstumas de Brás Cubas’". Tal título não apenas demonstra uma completa falta de noção, mas também presta um desserviço colossal à população ao desviar o foco da leitura para uma mera adaptação cinematográfica.



Meus caros leitores, taquem pedras se estiver falando besteira, mas, ao invés de utilizar a visibilidade gerada pela influenciadora Courtney Novak, que trouxe "Memórias Póstumas de Brás Cubas" de Machado de Assis para o centro das atenções internacionais com seu projeto de ler um livro de cada país, o "Estadão" escolheu reforçar a preguiça cultural. Novak, obcecada pelo brilhantismo do livro, conseguiu elevar "Memórias Póstumas de Brás Cubas" ao status de um dos livros mais vendidos na Amazon, mas o jornal, em vez de capitalizar essa oportunidade para incentivar a leitura, decidiu empurrar seus leitores para o cinema​.


Vamos lembrar que ler, está bem atrás de tomar um litrão de cerveja no que diz respeito a "hábitos" por aqui. O hábito de leitura no Brasil já é alarmantemente baixo segundo o relatório "Retratos da Leitura no Brasil". A média de livros lidos por ano pelos brasileiros é de apenas 2,43 livros, enquanto na França, por exemplo, é de 21 livros por ano​ (Mural dos Livros)​. "Aaah Bob, mas nós ganhamos no quesito 'hábito de banhos por dia'". Bom, isso é verdade, porém, diante desse cenário nacional sobre livros, é inadmissível que um jornal de grande circulação promova a substituição da leitura pela visualização de filmes.


O "Estadão" falha miseravelmente ao não perceber a oportunidade de ouro que tinha em mãos: utilizar o hype gerado pela leitura de Novak para incentivar a população brasileira a conhecer não apenas Machado de Assis, mas também outros autores e autoras nacionais. A redação do jornal errou feio ao desviar a atenção do livro para o cinema, perdendo a chance de exaltar a literatura brasileira e fomentar o hábito de leitura no país.


E veja bem meus caros e caras leitores, isso aqui não é uma crítica à qualidade das adaptações cinematográficas de "Memórias Póstumas de Brás Cubas" e muito menos ao cinema, mas sim à decisão editorial que prefere fomentar a cultura do entretenimento fácil à custosa, porém enriquecedora, prática da leitura. A literatura é um pilar fundamental da formação crítica e cultural de um povo. Talvez, se tivéssemos mais livros passando por nossos olhos e mãos, não tivéssemos o congresso, senado e um bando de safados e safadas espalhados nas prefeituras, e governos deste Brasil. Desviar o público de um livro tão seminal para um filme é, no mínimo, uma irresponsabilidade jornalística típica de alguém preguiçoso para a leitura.


Ao invés de transformar a efervescência literária trazida por Novak em um impulso para melhorar os índices de leitura no Brasil, o "Estadão" escolheu o caminho mais fácil e superficial. Que triste ironia ver um jornal que deveria educar e informar, preferir a comodidade da tela ao compromisso com o papel e a palavra escrita.


São os nossos tempos, não é mesmo? Conhecimento por WhatsApp. Leitura só das manchetes. 


Que esta crítica sirva como um chamado à responsabilidade editorial. O Brasil precisa de mais leitores, não de mais espectadores passivos. Que o "Estadão" e outros veículos de comunicação acordem para essa realidade e cumpram seu papel de formadores de opinião de maneira ética e construtiva.


Puta da Vida,

Bob Wilson




3 Comments


Ler não está fora de moda. Nunca vi tanta resenha, booktokers (chama assim?) e roteiros adaptados vitoriosos. Muitas vezes fui a um filme e comprei o livro depois ( e vice-versa).

Vergonhosamente digo: hoje estou pronta para ler tudo de Machado de Assis, que nunca piscou o olho pra me incentivar a lê-lo, e que li meio sem gostar. Talvez porque não tive oportunidade ou tempo de ler devagar e saborear a leitura.... E olha que li outros autores bem complexos antes dele.

Talvez agora autores nacionais ganhem o merecido reconhecimento, deixando de lado os autores americanos que enfileiram livros em listas de mais vendidos, até no Brasil, e que não me ganham por isso.

quem sabe? 😉


Like

Não acho que a matéria alcançou ninguém porque quem lê jornal mesmo? A juventude que gosta de livros não vai deixar de ler, mesmo indo assistir filmes baseados em livros. E quem não gosta de ler não lê nem jornal…. Então a matéria caiu no nada…

Não se estresse não , Bob. Ainda tem muita gente boa que lê bastante livros por aí. Abraços!

Like
Bob Wilson
Bob Wilson
Jun 03
Replying to

Obrigado, Gattorno pela interação. Realmente, também acredito que só passaram vergonha. Principalmente porque só quem já não lê é que vai se interessar por essa matéria. Para o restante de nós, só causa repulsa. Fica o gostinho e desejo de que o povo um dia tome gosto por essas páginas amareladas, ou, até mesmo pelos audiolivros que tanto invadem nossos fones hoje em dia. Chegaremos lá!



Like
bottom of page